BOINAS VERDES
Home
Destaques
Associações
Historial
Histórias e Curiosidades
 
INSIGNIAS
Pára-quedistas
Cráchas em Portugual
Cráchas em Angola
Cráchas em Moçambique
Cráchas em Guiné-Bissau
 
FOTOS
Enviadas
Diversas
Recentes
Antigas
Curso de Pára-quedismo
Saltos
Final de Curso

 

EQUIPAMENTO
Boina Verde
Galil
G3
MG-42 (MG3)
Armalite AR-10
HK 21
Missil Milan
Canhão Carl Gustaf
Stinger Fim 92
Pára-quedas Aerazur
Pára-quedas CTP A2  

 

GALERIA
Colecção
Metal
Tecido
 
VIDEOS
Toros
Calistenias
Torre Americana

 

 

Pára-quedistas

 Espingarda Ar-10, projectada pelo Eugene Stoner da divisão Armalite da “Fairchild Engine and Airplane Corp” e Avião Corp, não teve nenhum sucesso significativo na altura em que foi introduzida, mas teve algum significado histórico desde que a Ar-10 serviu como base para o desenvolvimento das espingardas muito mais bem sucedidas as Ar-15/M16. Basicamente, os protótipos Ar-15 os mais adiantados não eram não mais do que uma Ar-10 convertida

 A Ar-10 foi escolhida para os testes do exército dos E. U. para a criação de uma nova espingarda nova de batalha para substituir a venerável M1 Garand. A Ar-10, com o primeiro protótipo construído em 1955, veio demasiado tarde para estas experimentações, e foi demasiado inconvencional para mentes conservadoras no exército dos E. U., e perdeu consequentemente as experimentações para a espingarda T44, que foi adoptada em 1957 assim como a M14. A Ar-10 estava pronta para a produção maciça em 1960, mas muito poucas foram feitas nos EUA.

Uma licença de manufacturação tinha sido vendida à companhia holandesa Artillerie Inrichtingen. Somente Sudão e Portugal compraram algumas espingardas Ar-10 para suas forças armadas, e a produção da Ar-10 tinha sido cessada no fim dos anos 60s, com apenas 10.000 unidades que foram feitas.Duas ou três décadas mais tarde, a companhia reorganizada de Armalite trouxe a Ar-10 modificada de volta aos mercados civis e ás polícias.

Ao contrário da Ar-10 original, a nova Ar-10b é somente uma espingarda semiautomática, e está disponível em quatro versões básicas. A própria Ar-10b é mais ou menos uma cópia da Ar-10 original, com o material plástico castanho similar e a coronha curta, e com a patilha de selecção de manuseamento por baixo da pega para carregar. Outros três modelos parecem mais como modelos derivados da M1A2, com o mesmo estilo de material da A2. Tecnicamente, a Ar-10 difere muito pouco da sua derivada directa, a Ar-15/m16

 

Mandamentos do Pára-quedista


I - O Pára-quedista é um soldado de elite. Procura o combate e treina-se para suportar toda a dureza. Para ele, a luta é a plena manifestação de si próprio.

II - O Pára-quedista cultiva a verdadeira camaradagem. Só com a ajuda dos seus Camaradas consegue vencer; e é junto deles, e por eles, que morre.

III - O Pára-quedista sabe o que diz e não fala demasiado. As mulheres falam, mas os homens actuam. A indiscrição causa, normalmente, a morte.

IV - O Pára-quedista é calmo,prudente, forte e resoluto. O seu valor e entusiasmo dão-lhe o espírito ofensivo que o arrastará no combate.

V - O Pára-quedista sabe que as munições constituem o que de mais precioso tem frente ao inimigo.Os que atiram inutilmente, só para se tranquilizarem, nada valem; são fracos e não merecem o nome de Pára-quedistas.

VI - Pára-quedista não se rende.Vencer ou morrer constitui, para ele,ponto de honra.

VII - O Pára-quedista sabe que só triunfará quando as suas armas estiverem em bom estado. Por isso,obedece ao lema: "Primeiro, cuidar das armas, só depois, dele próprio':

VIII -  O Pára-quedista conhece a missão e a finalidade de todas as suas operações. se o seu comandante for morto, poderá, ele sozinho, cumprir a sua missão.

IX - O Pára-quedista combate o inimigo com Lealdade nobreza. Mas não tem piedade dos que,não ousando lutar do mesmo modo,se dissimulam no anonimato.

X - O Pára-quedista tem os olhos bem abertos e sabe utilizar ao máximo todos os recursos. Ágil como uma gazela, duro como aço,quando necessário, embora não o sendo, é capaz de agir como pirata, pele vermelha ou terrorista. Nada há que lhe seja impossível.


Hino do Pára-quedista

Paraquedista

Que andas em terra,

A tua alma encerra

Saudades do ar

 

E na conquista

Beijam-te as moças

Só p`ra que nao ouças

teu peito a vibrar

 

A morte é franca

Já te foi apresentada

ela de ti nao quer nada

Tem amor aos arrojados

 

A asa Branca

Quando a trazes desdobrada

é como a saia rodada

da moça dos teus pecados.

 

E quando em guerra

Mergulhares, fendendo o espaço,

Hás-de dar um grande abraço

Aos anjos que andam no céu

 

E quando em terra

Enfrentares audaz o perigo,

Gritarás ao inimigo:

- Alto aí ! Aqui estou eu


 
    Site actualizado em 30/04/2017
 
    © 2002-2016